BLOG DOS FORASTEIROS: * Blog Principal

Chasques

  • PARA RECEBER AS ATUALIZAÇÕES DESTE BLOG, SEJA UM SEGUIDOR SE INSCREVENDO NO FINAL DA COLUNA À DIREITA, NA TAG SEGUIDORES. A URL DESTE BLOG É http://forasteirossapucaia1.blogspot.com.br

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Jayme Caetano Braun , el payador

Payador, poeta e radialista, Jayme Caetano Braun nasceu na Timbaúva (hoje Bossoroca, na época distrito de São Luiz Gonzaga, na Região das Missões no Rio Grande do Sul), em 30 de janeiro de 1924, e faleceu em Porto Alegre no dia 8 de julho de 1999.

Lançou diversos livros de poesias, como Galpão de Estância (1954), De fogão em fogão (1958), Potreiro de Guaxos (1965), Bota de Garrão (1966), Brasil Grande do Sul (1966), Passagens Perdidas (1966) e Pendão Farrapo (1978), alusivo à Revolução Farroupilha. Em 1990 lança Payador e Troveiro, e seis anos depois a antologia poética 50 Anos de Poesia, sua ultima obra escrita.

Publicou ainda um dicionário de regionalismos, Vocabulário Pampeano - Pátria, Fogões e Legendas, lançado em 1987.

Jaime também gravou CDs e discos, como Payador, Pampa, Guitarra, antológica obra em parceria com Noel Guarany. Sua ultima obra lançada em vida foi o disco Poemas Gaúchos, com sucessos como Payada da Saudade, Piazedo, Remorsos de Castrador, Cemitério de Campanha e Galo de Rinha.

Gravou, ainda, com Lúcio Yanel, Cenair Maicá e Luiz Marenco.

Entre seus poemas mais declamados pelos poetas regionalistas do país inteiro, destacam-se Bochincho, Tio Anastácio, Amargo, Paraíso Perdido, Payada a Mário Quintana e Galo de Rinha.

Para ler biografia mais completa, acesse:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Jaime_Caetano_Braun

Devagarito vamos publicando os vídeos com as suas músicas e declamações. Pra quem está com pressa, disponibilizamos o site
http://letras.terra.com.br/jayme-caetano-braun, com 39 poesias, com letras e músicas, em alguns casos, disponíveis. Tem alguns probleminhas, como vídeos disponibilizados na página de outra letra. Esperamos poder corrigir isto quando lançarmos os mesmos aqui no nosso Blog.
Hoje, publicaremos dois poemas: Galpão Nativo e O Tempo.




Nenhum comentário: